Info Icon Ajuda Help Icon Ajuda
Biologia

Histologia Vegetal - Tecidos Vegetais

William Mira
Publicado por William Mira
Última atualização: 10/9/2018

Introdução

Entende-se por tecido todo o conjunto de células semelhantes que quando agrupadas desempenham a mesma função, e Histologia é o ramo da biologia que estuda os tecidos reunindo suas características, organização e funções.

Um vegetal é um organismo capaz de desempenhar diversas funções, além da fotossíntese, portanto, um conjunto de tecidos que formam órgãos especializados é fundamental para o desenvolvimento da planta.

A necessidade de especialização das células em funções específicas como realizar a fotossíntese, proteger o organismo, sintetizar substâncias para o metabolismo celular, entre outras, faz com que as células precisem aperfeiçoar essas funções. O processo de aperfeiçoamento celular é chamado de diferenciação celular e ocorre a partir das células embrionárias que, por sua vez, geram células especializadas. Essas células especializadas podem se agrupar formando os tecidos.

Os tecidos podem ser divididos com base na sua atuação no crescimento vegetal:

  • Tecido Primário: Relacionado ao crescimento em altura (longitudinal) do vegetal;
  • Tecido Secundário: Relacionado ao crescimento em espessura ou diâmetro do vegetal.

Podem também ser classificados quanto a composição celular:

  • Tecido Meristemático ou de formação: Constituído por células embrionárias e indiferenciadas que darão origem a todos os tecidos especializados;
  • Tecido Adulto ou permanente: Tecidos especializados compostos por células com função específicas.

Quanto à função, os tecidos podem, ainda, ser classificados em:

  • Tecidos embrionários: Através da diferenciação celular geram novos tecidos especializados;
  • Tecidos de Revestimento: Protege e reveste o organismo;
  • Tecidos de Preenchimento: Preenchem os espaços entre os tecidos;
  • Tecidos de Sustentação: Possuem função estrutural e auxiliam na sustentação do organismo;
  • Tecidos de Condução: Tecidos que transportam substâncias.

📚 Você vai prestar o Enem 2020? Estude de graça com o Plano de Estudo Enem De Boa 📚

Tecido Meristemático

Também chamados apenas por Meristemas, estão relacionados ao processo de crescimento vegetal. As células desse tecido são indiferenciadas, isto é, não possuem especialização e são também chamadas de células embrionárias, sendo dotadas de grande capacidade de realizar divisão celular (por mitose).

As células meristemáticas possuem parede celular bem fina, com citoplasma contendo vacúolos e núcleo volumoso. Os meristemas estão relacionados ao crescimento e desenvolvimento do vegetal em altura (meristema primário) e espessura (meristema secundário).

🎓 Você ainda não sabe qual curso fazer? Tire suas dúvidas com o Teste Vocacional Grátis do Quero Bolsa 🎓

Meristema Primário

Localizado nas extremidades do caule e da raiz, podendo também ser chamado de meristema apical. O local contendo as células meristemáticas primárias são as gemas apicais do vegetal. A partir da diferenciação das células meristemáticas da gema apical, podem ser gerados até três tecidos:

  • Meristema Fundamental: Irá originar os tecidos de preenchimento e armazenamento (parênquimas) e os tecidos de sustentação (esclerênquima e colênquima);
  • Procâmbio: Irá originar os tecidos condutores (xilema e floema) e seus anexos como o Câmbio Fascicular;
  • Protoderme: Primeiro tecido de revestimento que surge no vegetal. Vai possuir a função de revestimento e a partir dele surge a epiderme.

Meristema Secundário

Algumas células já diferenciadas podem voltar à sua conformação de célula meristemática e elevar sua taxa de divisão celular, que irá contribuir para aumentar a espessura do vegetal. Essas células compõem o meristema secundário.

O meristema secundário está localizado ao redor do cilindro central do caule e da raiz, e também forma tecidos secundários específicos:

  • Felogênio: Gerado a partir das células do meristema fundamental, pode formar o súber e o feloderma;
  • Câmbio interfascicular: Também gerado a partir do meristema fundamental diferenciado em célula parenquimática, irá formar o xilema e floema secundários.

Tecidos de Revestimento

Os tecidos de revestimento possuem a função de proteger e revestir as estruturas vegetais (caule, folhas e raiz), e podem ser divididos em epiderme e periderme que juntos compõem o sistema dérmico do vegetal.

Epiderme

Possui células justapostas, com espessa parede celular e que são clorofiladas nas folhas e em caules jovens (caules adultos e raízes possuem pouca quantidade de cloroplastos), geralmente formando uma camada única de células e ocupando a parte mais externa do vegetal, sendo popularmente conhecida como casca do tronco ou casca da árvore.

A Epiderme pode possuir alguns anexos em sua estrutura que auxilia na sua função principal de proteção do vegetal:

  • Acúleos: Estruturas pontiagudas que se assemelham a espinhos e auxiliam na proteção do vegetal;
  • Cutícula: Camada impermeabilizante que auxilia na retenção de líquido pelo vegetal evitando a perda excessiva de água;
  • Estômatos: Células semelhantes a grãos de feijão, encontrada aos pares, ricas em cloroplastos, presentes nas folhas e que possuem a função de realizar as trocas gasosas entre o vegetal, através das folhas, e o meio externo;
  • Tricomas: Auxilia na proteção do vegetal, também podem auxiliar nas trocas gasosas e na absorção de água pelo vegetal, sendo chamados, nesse caso, de pêlos absorventes.

Periderme

Tecido de revestimento relacionado ao crescimento secundário do vegetal, localizado então no interior do organismo na região do felogênio. Pode ser dividido em:

  • Feloderma: Células do felogênio que se proliferaram para a região mais externa do vegetal, contribuindo assim para o aumento da espessura;
  • Súber: Células do felogênio que se proliferaram para a camada mais interna do vegetal. Geralmente acumulam uma substância impermeabilizante chamada Suberina, que permanece estruturalmente mesmo após a morte das células do tecido, formando assim o produto popularmente conhecido como cortiça. É também no Súber que se formam pequenos orifícios chamados Lenticelas que irão auxiliar na aeração e nas trocas gasosas entre as células mais internas do vegetal e o meio externo.

Tecidos de Preenchimento

Os tecidos de preenchimentos são constituídos de Parênquimas, tecidos que tem como função principal preencher os espaços internos vazios do vegetal. A partir dessa função principal, os parênquimas podem desempenhar funções secundárias.

Os parênquimas são formados por células espaçadas com parede celular fina que permite a absorção de substâncias. Podem ser divididos em grupos de acordo com a função secundária que apresentam:

  • Parênquima Clorofiliano: Parênquima abundante nas folhas dos vegetais com elevada taxa de cloroplastos. Sua função é preencher as camadas internas da folha, dispersar gases e ainda realizar a fotossíntese. Pode ser dividido em:
  • Parênquima paliçádico: células mais alongadas e com pouco espaço entre elas;
  • Parênquima lacunoso: células arredondadas e mais espaçadas.
  • Parênquima de Reserva: Possui função de armazenar substâncias como lipídios, proteínas, carboidratos e etc... Nesses parênquimas há a presença maior de leucoplastos (plastos que possuem função de reserva e armazenamento) que cloroplastos e de acordo com a substância armazenada, cada parênquima pode levar um nome específico.
  • Parênquima Amilífero: Armazena Amido. Presente nos tubérculos como nas batatas, por exemplo;
  • Parênquima Aquífero: Armazena água. Presente geralmente em plantas que sobrevivem em ambientes secos como os cactos presentes no cerrado e deserto;
  • Parênquima Aerífero: Armazena ar. É encontrado nas plantas aquáticas como na Vitória-Régia, e também auxilia na flutuação desses organismos.

Tecidos de Sustentação

São originários do meristema fundamental e são encontrados em diversas estruturas vegetais como caule, raiz, folhas e frutos. Podem revestir algumas estruturas internas do vegetal e tem função estrutural, garantindo a sustentação do organismo.

Os tecidos de sustentação podem ser divididos em: Colênquima e Esclerênquima.

Colênquima

Geralmente encontrados no caule, folhas e frutos. Está localizado abaixo da epiderme, geralmente no parênquima e, além da função de resistência, também auxilia na fixação de componentes constituindo os pecíolos que ligam as folhas ao caule, garantindo maleabilidade na estrutura ligante.

As células colenquimáticas apresentam espessa parede celular constituída de celulose e pectina, que auxilia na absorção de água deixando o tecido mais flexível. O colênquima é encontrado em plantas jovens principalmente as que possuem crescimento acelerado.

O colênquima pode ainda se dividir como as células meristemáticas, participando dos processos de regeneração e cicatrização de estruturas vegetais.

Células colenquimáticas.células colenquimáticas

Esclerênquima

Constituído por células mortas com espessa camada de parede celular composta de Lignina (composto impermeabilizante), o que o torna muito resistente. É encontrado principalmente no caule vegetal, mas pode compor a raiz e as folhas também. Geralmente é encontrado disposto em feixes revestindo o sistema vascular do vegetal.

É constituído por duas estruturas:

  • Fibras esclerenquimáticas: Feixes longitudinais presentes em estruturas mais velhas promovendo sustentação do vegetal;
  • Esclereídes: Células ramificadas encontradas geralmente no parênquima vegetal, possuindo, assim como as fibras, função de garantir resistência ao organismo.

Fibras do Esclerênquima. fibras do esclerênquima

Tecidos de Condução

São responsáveis por desenvolver estruturas que garantam o transporte e distribuição de substâncias pelo vegetal, estando presente tanto nos tecidos primários quanto nos tecidos secundários.

Podem ser divididos em vasos chamados "vasos condutores de seiva" que transportam seiva (bruta ou elaborada) pela planta. Esses vasos podem ser conhecidos como Xilema e Floema e juntos compõem o Sistema Vascular do vegetal e é semelhante ao sistema vascular e circulatório dos animais.

Xilema

Localizado na região mais interna do vegetal, o xilema é composto por vasos condutores de seiva inorgânica, chamada também de seiva bruta, constituída por água e sais minerais que são absorvidos pela raiz.

As células do xilema são, assim como as células do esclerênquima, células mortas devido a elevada concentração de lignina nas paredes celulares.

Esse transporte de água e sais minerais ocorre, portanto, de forma ascendente, da raiz para as folhas, onde formam junto com o floema as nervuras presentes nesses órgãos.

O xilema é constituído por:

  • Traqueídes: Encontradas em todos os tipos de plantas vasculares. São células finas agrupadas em feixes, formando poros entre as células permitindo a passagem da seiva inorgânica;
  • Elementos de Vaso: Estruturas especializadas encontradas principalmente em Angiospermas que formam longos feixes que possuem a capacidade de transporte de seiva mais eficaz, formando estruturas grandes chamadas de vasos lenhosos.

Floema

Encontrado, assim como o Xilema, em praticamente todos os órgãos do vegetal. É responsável pelo transporte de seiva orgânica, também chamada de seiva elaborada, constituída por moléculas orgânicas, produzidas nos processos fotossintéticos da planta.

Essas substâncias orgânicas, geralmente carboidratos, são produzidas nas folhas e nas regiões clorofiladas e, através do Floema, distribuídas para as demais regiões do vegetal, formando um transporte descendente, ou seja, das folhas para a raiz e demais estruturas.

Ao contrário do Xilema, o Floema é composto por células vivas e pode ser dividido em:

  • Células crivadas: Células alongadas e primitivas que são encontradas em pteridófitas e Gimnospermas, com capacidade limitada de transporte de seiva;
  • Tubos crivados: Estruturas especializadas no transporte de seiva orgânica e são encontradas nas Angiospermas. As células que constituem esses tubos são células anucleadas (sem núcleo) que são associadas a células parenquimáticas chamadas “células companheiras” que garantem a manutenção dos elementos do tubo crivado.

Corte do caule vegetal mostrando a localidade dos diferentes tecidos. corte do caule vegetal mostrando diferentes tecidos


Exercícios

Exercício 1
(UFRS/1996)

Associe as denominações listadas na coluna A às alternativas da coluna B que melhor as explicam.

Coluna A

(  ) Floema

(  ) Parênquima

(  ) Esclerênquima

(  ) Xilema

(  ) Meristema

Coluna B

1 – Tecido embrionário

2 – Tecido de sustentação

3 – Tecido de condução

4 – Tecido de síntese e armazenamento

A relação numérica correta, de cima para baixo, na coluna A, é:

Ilustração: Rapaz corpulento de camiseta, short e tênis acenando

Inscreva-se abaixo e receba novidades sobre o Enem, Sisu, Prouni e Fies:

Carregando...

Veja também

BIOLOGIA
Briófitas
Briófitas