Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
Vestibular e Enem

Atualidades Enem: Copa de 1970 e Ditadura Militar

por Giovana Murça em 09/11/20

Era dia 21 de junho, final da Copa do Mundo de 1970, sediada no México. Brasil contra Itália. Aos 42 minutos do segundo tempo, os mais de 100 mil torcedores presentes no Estádio Azteca assistem ao então capitão da seleção brasileira, Carlos Alberto, marcar o quarto e último gol da partida. Placar final: Brasil 4 x 1 Itália. Há exatos 50 anos, o Brasil se consagra o primeiro país tricampeão da Copa do Mundo de Futebol.

Reprodução/FIFA
copa de 1970
O capitão do time Carlos Alberto levanta a taça da vitória

Os craques da seleção foram recebidos com festa por milhares de brasileiros no aeroporto de Brasília. A euforia era tamanha que o governo havia decretado feriado nacional. Mas, por trás da alegria da vitória, o país sofria com a fase mais repressiva da Ditadura Militar.

O presidente da época, Emílio Garrastazu Médici, usou o novo título como propaganda política do regime militar. Apaixonado por futebol, Médici se apropriou das campanhas nacionalistas para evocar o patriotismo do povo e exaltar a ditadura, ofuscando a repressão e a tortura cada vez maiores do seu governo “linha dura”.

“Isso daria ao brasil um status muito importante no cenário mundial e o governo vai se utilizar disso. A vitória do Brasil na Copa seria um reflexo dos avanços econômicos que o Brasil estava tentando demonstrar. Isso seria importante para criar essa conexão de sucesso no esporte e sucesso da ditadura no seu sentido econômico”, esclarece Gabriel Feitosa, professor de História do Projeto X.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Anos de chumbo

Em 1964, um golpe militar tirou do poder João Goulart e inaugurou a Ditadura Militar do Brasil, uma série de governos autoritários que duraram mais de 20 anos. Nesse período, os opositores do regime foram perseguidos, os meios de comunicação e cultura censurados, os direitos políticos restringidos e milhares de pessoas mortas e torturadas.

Reprodução/Ziraldo
copa de 1970
Charge de Ziraldo sobre a campanha nacionalista e a repressão da ditadura

Em 1969, Mécidi assume a presidência e coloca em prática o Ato Institucional nº 5 (AI-5), dando início ao período de maior violência e repressão política da ditadura: os anos de chumbo, que perduraram até o final de seu governo, em 1974. 

Os Atos Institucionais possibilitavam a promulgação de regras e determinações políticas sem que estas precisassem serem aprovadas pelo Congresso. Eles eram usados para restringir as liberdades políticas individuais e a liberdade de expressão e instituir formas legais de perseguição aos opositores do regime. 

Veja um trecho do AI-5, o mais severos dos atos até então:

Art. 5º – A suspensão dos direitos políticos, com base neste Ato, importa, simultaneamente, em:
I – cessação de privilégio de foro por prerrogativa de função;
II – suspensão do direito de votar e de ser votado nas eleições sindicais;
III – proibição de atividades ou manifestação sobre assunto de natureza política;
IV – aplicação, quando necessário, das seguintes medidas de segurança:
a) liberdade vigiada;
b) proibição de frequentar determinados lugares;
c) domicílio determinado.

Em seu relatório final, a Comissão Nacional da Verdade (CNV) estima que, no período de comando de Médici, 98 pessoas foram assassinadas por motivações políticas. Ao todo, de 1946 a 1988, a CNV identificou 434 casos de mortes e desaparecimento de vítimas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Milagre econômico

O governo de Médici também foi caracterizado por um enorme crescimento econômico no país, o chamado milagre econômico. Entre 1968 e 1973, o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu 11,1% ao ano, enquanto no período anterior (1964-1967) o crescimento havia sido de 4,2%.

O avanço da economia brasileira acompanhava o crescimento da economia mundial. Nesse período, muitas multinacionais se instalaram no Brasil e foram construídas a Rodovia Transamazônica e a ponte Rio-Niterói, o que ampliou a oferta de empregos na indústria. Houve também um crescimento do mercado consumidor interno e externo, com o aumento das exportações e expansão poder de compra da classe média.

Reprodução/Jaguar
copa de 1970
Charge de Jaguar sobre as contradições do milagre econômico

Entretanto, o milagre econômico aconteceu às custas das classes mais baixas. Isso porque os trabalhadores foram os mais afetados pelo arrocho salarial, a contenção dos salários decorrente do reajuste da inflação. Entre 1964 e 1985, o salário mínimo caiu 50% em valores reais. Sobre as contradições do milagre econômico, o professor Gabriel explica: 

“O milagre econômico mostra um forte avanço do PIB mas uma estagnação do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), grande consumo da classe média mas arrocho salarial para os trabalhadores, ou seja, não houve aumento do salário mínimo naquele momento, teve até retração dos índices de alfabetização e a educação do brasil pouco avançou”.

Dessa forma, as mesmas políticas que levaram ao milagre econômico, fizeram aumentar as desigualdades sociais no país. Além disso, o crescimento foi financiado por grandes empréstimos, que aumentaram a inflação e a dívida externa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Futebol e política

O uso do esporte como propaganda política não foi novidade da Copa de 70, há registros da aproximação entre o esporte e a política desde os tempos antigos. “As olimpíadas na Grécia Antiga já mostravam a tentativa das polis de demonstrar sua força, seu poder político e seu aspecto de liderança militar”, exemplifica Gabriel.

O esporte também serviu de propaganda do governo fascista de Mussolini, na Itália, e de instrumento disputa entre soviéticos e norte-americanos nos campeonatos durante a Guerra Fria. No Brasil, o professor destaca o governos de Getúlio Vargas e de Juscelino Kubitschek (JK), que se beneficiaram da euforia dos brasileiros nos campeonatos mundiais de futebol, boxe e tênis.

Reprodução/Acervo CBF
copa de 1970
Escalação da Seleção Brasileira de 1970

Durante a Copa de 1970, o governo Médici explorou a excitação nacional para investir em campanhas ufanistas, isto é, de patriotismo exagerado. Alguns slogans lançados na época foram: “Ninguém segura este país” e “Brasil; ame-o ou deixe-o”. O governo militar apropriou-se até do jingle da Copa “Pra frente Brasil”.

"De repente é aquela corrente pra frente
Parece que todo o Brasil deu a mão Todos ligados na mesma emoção
Tudo é um só coração!

Todos juntos vamos
Pra frente Brasil! Brasil!
Salve a Seleção!"

- Trecho da música “Pra frente Brasil”

O presidente Médici chegou a interferir até na escalação dos jogadores para o campeonato. Na época, a seleção era comandada pelo técnico e jornalista João Saldanha, conhecido militante comunista e contrário ao governo. No início de 1970, durante o sorteio de grupos da Copa, Saldanha levou ao México um dossiê denunciando a repressão praticada pela ditadura.

A poucos meses da Copa, o general Médici manifestou seu desejo em ver o jogador Dadá Maravilha no time brasileiro. Questionado pela imprensa sobre o pedido do presidente, Saldanha deu a famosa resposta: “Nem eu escalo ministério, nem o presidente escala time”. Aliado a outras desavenças, o episódio resultou na polêmica demissão de Saldanha, substituído pelo técnico Zagallo.

Veja também:
Dia do Futebol: 11 livros que os apaixonados pelo esporte precisam ler
Copa: 18 jogadores de futebol que fizeram faculdade
No futebol, mulheres cursam mais ensino superior do que homens

Durante a preparação para os jogos, militares acompanharam de perto a seleção, mantendo o presidente informado sobre o dia a dia dos jogadores. O próprio Médici telefonava para os craques depois cada partida.

Reprodução/Revista Manchete
copa de 1970
Presidente Médici segurando a Taça Jules Rimet

A vitória da seleção consagrou o Brasil como o país do futebol, mas também contribuiu para vangloriação do regime opressor. No livro “Futebol ao sol e à sombra”, Eduardo Galeano descreve:

“Em pleno carnaval da vitória de 70, o general Médici, ditador do Brasil, presenteou com dinheiro os jogadores, posou para os fotógrafos com o troféu nas mãos e até cabeceou uma bola na frente das câmaras. A marcha composta para a seleção, Pra frente Brasil, transformou-se na música oficial do governo, enquanto a imagem de Pelé voando sobre a grama ilustrava, na televisão, anúncios que proclamavam: Ninguém segura o Brasil.”

Contrários a toda essa euforia, opositores do regime e grupos de esquerda consideravam o futebol o “ópio do povo”, utilizado como instrumento de propaganda e alienação da população, desviando a atenção dos problemas sociais, numa espécie de “política do pão e circo”.

Reprodução/Arquivo Nacional
copa de 1970
Milhares de pessoas foram à Brasília para receber os jogadores da seleção

Nos anos seguintes, questionados sobre a conveniência com o governo ditador, os jogadores declararam não apoiar o regime nem saber dos crimes cometidos pelo militares. Em entrevista à Revista Placar, em 1984, o ex-jogador Pelé, considerado o rei do futebol, declarou:

“É difícil evitar um presidente, por exemplo, como o [Ernesto] Geisel e o Médici. Indiretamente, é claro que era um uso [da minha imagem]. Mas eu era consciente. Eu cedia porque, na minha posição, você tem de fazer concessões.”

Reprodução/FIFA
copa de 1970
Pelé e companheiros comemorando após o gol da vitória na final da Copa

Na Copa de 1974, a seleção do Brasil não repetiu o sucesso do campeonato anterior, ficando em quarto lugar. No mesmo ano, o governo militar foi atingido pela crise do petróleo, que culminou no fim do milagre econômico e piora da economia nacional. 

Copa de 70 e Ditadura Militar: como pode cair no Enem?

Os 50 anos da conquista do tricampeonato da Copa de 1970 no contexto da Ditadura Militar é, sem dúvidas, tema relevante para qualquer vestibular, inclusive o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Plano de estudo Enem Corridão: baixe gratuitamente

Para o professor Gabriel, o exame pode explorar a questão da propaganda do governo Médici, usando o esporte como uma alavanca patriótica e nacionalista. “É aquilo: se o Brasil funciona nas quatro linhas, se ele dá show no gramado, é porque, de fato, o Brasil funciona como país”, afirma. 

Reprodução/FIFA
copa de 1970
Jairzinho comemorando o terceiro gol contra a Itália

O professor ainda destaca o esporte como uma forma de construção da identidade do Brasil, não só na Copa de 70, mas em outros mundiais também. Além disso, é importante que o candidato entenda as contradições do chamado milagre econômico e as relações diplomáticas entre o Brasil e os Estados Unidos na época, que atendiam aos interesses da Guerra Fria.

Na opinião do professor de História da Oficina do Estudante, Felipe da Costa Mello, pelo contexto de Ditadura Militar, é pouco provável que o tricampeonato apareça no Enem. “Este tema tende a não ser pauta do Enem, durante o governo Bolsonaro. Contudo, se o tema aparecer será relacionando o uso do futebol como instrumento de propaganda da ditadura militar”, explica.

Mas, para o professor Gabriel, é preciso ter cautela: “Os alunos às vezes acham que por conta do atual governo o assunto regime militar não vai cair, isso não é uma certeza”.

Reprodução/Acervo CBF
copa de 1970
Comemoração clássica do Rei Pelé

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

E na redação?

Na redação do Enem, a relação entre futebol e política também pode ser aguardada. “Na verdade, não há tema que não seja político, afinal, por exemplo, pode-se discutir meio-ambiente ou futebol com um viés político”, aponta Ana Cristina Campedelli, professora de redação, também da Oficina do Estudante.

Guia completo sobre a redação do Enem: baixe de graça

Na temática futebol, a professor Ana Cristina acredita num enfoque relacionado com a pandemia: “Como a falta da torcida durante as poucas partidas de futebol que ocorreram na pandemia tornam sem sentido a realização das mesmas, ao mesmo tempo que a realização delas são políticas, ou seja, não deixam de ser um desvio da atenção ao problema maior que nos ronda, o coronavírus ou mesmo a quantidade absurda de mortos”.

Independentemente do tema da redação, a dica da professora é não usar palavras de baixo-calão, como xingamentos ou palavrões. Ela também aconselha o uso dos termos “autoridade”, “atual governo” ou “Ministro da…”, ao invés de citar nomes de políticos.

Leia também:
Atualidades Enem: Direito ao voto
Atualidades Enem: Capacitismo

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
ALERTA DE VAGAS i-close
Descubra qual profissão mais se encaixa com você.

Não fique na dúvida sobre o seu futuro. Faça o Teste Vocacional do Quero Bolsa.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você compare vagas com bolsa em mais de 1.000 faculdades

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2021 CNPJ: 10.542.212/0001-54