Sobre
Sobre
Como funciona
Como funciona o Quero Bolsa?
Ligue grátis
0800
0800 941 3000
Seg - Sex 8h-22h
Sábado 9h-13h
Aceitamos ligação de celular
Vestibular e Enem

Atualidades Enem: Separatismo

por Giovana Murça em 20/08/20

Você já imaginou o que aconteceria se seu estado não fizesse mais parte do Brasil? Pode parecer uma situação estranha, já que a maioria da população de identifica como brasileira, não é mesmo?

separatismo
Torcida brasileira (Reprodução/Internet)

Mas saiba que, atualmente, existem mais de 20 movimentos separatistas no Brasil, como o Sul É o Meu País, Nordeste Independente, Grupo de Estudos para o Nordeste Independente, Movimento São Paulo Independente, entre outros.

Os movimentos separatistas não são novos na história do país. Durante o Período Colonial e Regencial, houveram revoltas de caráter separatista, como a Inconfidência Mineira, a Cabanagem, a Sabinada e a Revolução Farroupilha.

Baixe gratuitamente: Plano de Estudo Enem De Boa

O que é separatismo?

O separatismo pode ser definido como um movimento de pessoas que buscam a independência, ou seja, a separação do Estado a qual pertencem. As motivações desses movimentos podem ser religiosas, políticas, culturais ou econômicas.

“Normalmente, a aspiração à independência é guiada por movimentos nacionalistas, que são sentimentos de identidade, idioma, cultura e histórias próprias”, explica Thiago Feitosa, professor de geografia do Canal Projeto X e do ProEnemEle ainda acrescenta que por estarem submetidos a outro grupo, um Estado-nacional maior, por vezes, esses povos se sentem oprimidos.

Autodeterminação dos povos

Muitos dos movimentos separatistas, sobretudo de colônias africanas, se basearam no princípio de autodeterminação dos povos, segundo o qual todo povo tem o direito de se autogovernar e decidir sua condição política, sem interferências externas - desde que seja de forma democrática, por meio de consulta popular.

Apesar do princípio de autodeterminação dos povos constar na Carta das Nações Unidas (ONU), ele se opõe ao princípio de soberania dos Estados Nacionais, contrariando as Contribuições Federais da maioria dos países, inclusive do Brasil. 

O 1º artigo da Constituição de 1988 afirma: “A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal”. Sendo assim, a ONU nem outra organização internacional não pode intervir diretamente nas questões internas de um país. 

Quais são os principais movimentos separatistas?

Atualmente, existem diversos movimentos por independência no mundo todo, de maior ou menor grau de força. O professor Thiago destacou alguns movimentos separatistas dos dias atuais, confira!

País Basco (Espanha)

O País Basco não é um país, como o nome sugere. Ele é uma região autônoma pertencente à Espanha. Os bascos são um grupo étnico que têm seu idioma e cultura próprios. Eles lutam por seu território desde a invasão dos romanos na Antiguidade e foram fortemente reprimidos pelo ditador Francisco Franco, durante a Guerra Civil Espanhola. 

separatismo
"Liberdade para o País Basco" (Jaume Meneses/Qikimedia Commons)

Um dos grupos que lutou pela autonomia basca foi o ETA (sigla em basco para "Pátria Basca e Liberdade"), que realizam atentados terroristas para chamar atenção para causa separatista. Após a redemocratização e recuperação dos direitos e autonomia, o grupo perdeu força e apoio, anunciando seu fim definitivo em 2018. Hoje, os bascos contam com um parlamento próprio mas ainda não têm seu território. 

Veja: Saiba quais são os principais grupos terroristas do mundo

Catalunha (Espanha)

Outra região espanhola autônoma mas não independente é a Catalunha. Os catalães têm seu idioma e cultura próprios e ocupam o norte da Espanha desde a Idade Média. Assim como os bascos, eles também sofreram com a repressão da ditadura de Francisco Franco.

separatismo
Manifestação pela independência da Catalunha, em 2012 (Kippelboy/Wikimedia Commons)

Até hoje, a independência não é consenso entre o povo e parlamento catalão. Os favoráveis querem a separação por motivos políticos, culturais e financeiros - já que a Catalunha é uma das regiões mais ricas da Espanha. Após um referendo em 2017, quando a maioria optou pela emancipação da Catalunha, o Parlamento Catalão declarou independência. A decisão foi reprimida pelo governo espanhol, que dissolveu o parlamento e prendeu diversos políticos.

Curdistão (Oriente Médio)

Os curdos são considerados a maior nação sem um Estado do mundo, com quase 30 milhões de pessoas. O povo curdo surgiu na região da Mesopotâmia durante a Antiguidade e hoje ocupam o território de vários países: Turquia, Armênia, Azerbaijão, Iraque, Irã e Síria. 

separatismo
Bandeira do Curdistão (DepositPhotos)

As reivindicação por um Estado próprio, o Curdistão, são duramente reprimidas há décadas. Nos anos 1990, o ditador iraquiano Saddam Hussein chegou a usar armas químicas contra os curdos. Hoje, as repressões e as proibições da manifestação linguística e cultural curda continuam, sobretudo na Turquia, onde eles são 25% da população.  

Escócia (Reino Unido)

A escócia era um reino independente até 1707, quando foi anexada à Grã-Bretanha. Desde então, a população se divide a respeito da independência. Em 2014, em um referendo sobre a separação, o não venceu. 

Mas, com a saída da Reino Unido da União Europeia (Brexit), os movimentos separatistas tendem a se fortalecer, já que a maioria da população da Escócia votou pela permanência na União Europeia. No dia do Brexit, por uma rede social, a primeira-ministra escocesa afirmou: "A Escócia irá retornar ao coração da Europa como um país independente".

separatismo
(Reprodução/Twitter)

Veja mais: Brexit: Tudo o que você precisa saber para o Enem

Irlanda do Norte (Reino Unido)

Assim como ocorreu na Escócia, o Reino da Irlanda se anexou ao Reino Unido, em 1801. Entretanto, as diferenças políticas e, principalmente, religiosas resultaram numa guerra civil de décadas entre a maioria irlandesa católica, que queria a independência, e o norte irlandês protestante e o governo britânico. O conflito deu origem a independência da República da Irlanda e a criação da Irlanda do Norte, ainda anexa ao Reino Unido. 

separatismo
Localização da Irlanda do Norte, pertencente ao Reino Unido (Wikimedia Commons)

Nesse contexto, surgiu o grupo separatista Exército Republicano Irlandês (IRA, na sigla em inglês), que usava de métodos terroristas com o objetivo de separar a Irlanda do Norte do Reino Unido e reanexá-la à Irlanda. O IRA chegou ao fim em 2005. Após o Brexit, as intenções separatistas voltam a rondar a Irlanda do Norte, pois a maioria dos norte-irlandeses haviam votado pela permanência na União Europeia. 

Quebec (Canadá)

Outro movimento separatista é da cidade de Quebec, no Canadá, onde a maioria da população, de origem francesa, utiliza o idioma francês e professa a religião católica. Diferente do restante do país, que fala inglês e é de maioria protestante. Na década de 1980, durante um plebiscito, a maioria votou contra a independência, mas as manifestações continuam.

separatismo
Bandeira de Quebec (Reprodução/YouTube)

Tibet (China)

Desde a Revolução Chinesa de 1949, o povo tibetano sofre com as imposições da China, que reprime violentamente as manifestações separatistas e incentiva a imigração de chineses para a região, visando o enfraquecimento da cultura tibetana. Mesmo sendo uma região autônoma desde a década de 1960, as tensões continuam e milhares tibetanos já se exilaram em países vizinhos.

Xinjiang (China)

A província de Xinjiang ou Sinquião é outra região autônoma da China que apresenta movimentos de independência há décadas. Os separatistas alegam que a China invadiu a região na década de 1940. O povo de Xinjiang, também chamado de uigures, é de origem étnica diferente dos chineses e, em sua maioria, segue a religião islâmica. Assim como o tibetanos, eles são reprimidos pelo governo chinês.

separatismo
Localização do Tibete e de Xinjiang, na China (Reprodução/Internet)

Pode cair no Enem?

Sim! O professor Thiago pontua que o tema separatismo já apareceu no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) algumas vezes. “A prova sobre muito sobre os conceitos de nação, Estado e nacionalismo”, conclui.

Leia também:
Primavera Árabe: pode cair no Enem?
Atualidades Enem: Intolerância

O que você achou deste artigo?

ALERTA DE VAGAS i-close
Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
ALERTA DE VAGAS i-close
Descubra qual profissão mais se encaixa com você.

Não fique na dúvida sobre o seu futuro. Faça o Teste Vocacional do Quero Bolsa.

ALERTA DE VAGAS i-close
Nós podemos te ajudar Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

Aqui no Quero Bolsa você compare vagas com bolsa em mais de 1.000 faculdades

Preencha os campos abaixo para receber avisos de vagas disponíveis em nosso site de acordo com seus interesses.

ALERTA DE VAGAS i-close
Deixe seus contatos Mailbox 3aaacb172f1a1e1ba19b2e93f60f637592c84194967e63e952c08d3cb04fa7a8
ALERTA DE VAGAS i-close
Falta só mais um passo! Raised hands 93ba2838e7c9b110e7b370ddadc1892902fe94722a836c919cb013fa7ced527d

As nossas melhores vagas chegam de surpresa. Por isso fique ligado.

Com a sua confirmação enviaremos ofertas exclusivas diretamente no seu Whatsapp. Rápido, fácil, prático e na tela do seu celular.

CENTRAL DE AJUDA i-close
Como podemos te ajudar?

Gostaria de saber como o Quero Bolsa funciona e se o site é confiável.

Veja as perguntas frequentes

Quero receber vagas de acordo com meus interesses diretamente em meu e-mail e WhatsApp.

Tá na dúvida? Preencha suas preferências que a gente te ajuda a achar sua vaga ideal.
i-close

Se por algum motivo você não utilizar a nossa bolsa de estudos, devolveremos o valor pago ao Quero Bolsa.

Você pode trocar por outro curso ou pedir reembolso em até 30 dias após pagar a pré-matrícula. Se você garantiu sua bolsa antes das matrículas começarem, o prazo é de 30 dias após o início das matrículas na faculdade.

Fique tranquilo: no Quero Bolsa, nós colocamos sua satisfação em primeiro lugar e vamos honrar nosso compromisso.

O Quero Bolsa foi eleito pela Revista Época como a melhor empresa brasileira para o consumidor na categoria Educação - Escolas e Cursos.

O reconhecimento do nosso trabalho através do prêmio Época ReclameAQUI é um reflexo do compromisso que temos em ajudar cada vez mais alunos a ingressar na faculdade.

Feito com pela Quero Educação

Quero Educação © 2011 - 2021 CNPJ: 10.542.212/0001-54